top of page

Poesia em Tempo

Público·10 membros

A VERDADE DA VIDA


Nasci e desde a infância sempre fui peralta,

Corria de um lado para outro, aprontava...

Brincava com meus amigos, nadava, cantava, estudava, corria...

Era feliz e livre como qualquer outra criança, cheia de sonhos e esperanças.


Sempre me disseram que era diferente...

Aí veio a adolescência, as descobertas, os conflitos, muitos conflitos...

Comecei a ser problema, a ter problema a dar problema...

Foi aí que comecei a me diferenciar e realizar atos heroicos!

Entrei para o exército, me destaquei, subi várias patentes e atingi o auge, chegando a ir para uma guerra e receber várias menções.


Ao retornar... Me casei, tive três lindos filhos, me formei, fiz mestrado, doutorado, sai pelo mundo ajudando pessoas e ganhei vários prêmios, até o Nobel.

Me destaquei, amealhei fortuna, prestígio, reconhecimento...

E assim vivi minha vida adulta, tendo sucesso em tudo que fazia.


Agora, beirando a velhice, me veio um lampejo de consciência e vi que a vida que desenhei não existia (sendo real apenas no meu caderno, na minha imaginação)...

Me dei conta que havia permanecido preso simultaneamente nas quatro paredes do sanatório e da minha mente.

A loucura me arrebatou e o branco que jurava ser do meu jaleco, era tão somente da farda que usei por quase toda a minha existência...


Nesse momento de consciência, vi que o "real" fora apenas o que vivi na infância, pois o resto não havia acontecido, havendo somente para mim (não havia títulos, fortuna, carreira, filhos),

Ai, a loucura saiu de mim, para me mostrar que havia sido feliz e que havia vivido algo intenso, pois, apesar de "real" para mim, minha vida enquanto sujeito ativo/social, ocorreu somente até os onze anos de idade, quando ainda não havia sido aprisionado (ou libertado) pela fantasia...


Hoje tenho certeza, de que minha vida paralela (second life) foi real, pois intensamente vivida dentro das minhas sinapses ...

Chorei, sofri, chorei, enfim...Vivi,

Hora fui feliz; ora nem tanto, ora fui protagonista; ora coadjuvante, ora fui passageiro; ora fui condutor...

Sendo, que apesar de tudo foi "real", enquanto VIDA e enquanto MINHA!

Oscar Calixto

Informações

✍ Poesia em tempo é um grupo destinado a quem gosta de escre...

membros

Grupos

Home
Botão Home
bottom of page